Relacionamento

Foto: Nathan Ribeiro

Antes, eu era escolhida.
Agora, Fizemos um acordo!
Quem escolhe sou eu.

“Quando eu te conheci, perdi a identidade.”

Quantas pessoas você já ouviu falando essa frase?

Você já se perguntou como elas chegaram nesse ponto?

Bom. Perder a identidade… O que é isso?

Perder a identidade é quando você deixa de ser você, deixa de viver de acordo com os seus valores ou quando você vive seus valores de forma exagerada.

Veja se foi assim que começou e terminou o seu relacionamento.

Quando eles começaram, tudo era alegria.

Eles se combinavam em tudo e parecia até mágica.

Será que era mesmo?

Pense.

Já logo no primeiro mês a pessoa mostra através de sinais o que ela é e você percebe, mas não aceita ou aceita porque precisa aprender algo.

Logo, o tempo passa e as diferenças são visíveis e as brigas começam.

O amor e a paixão viram cobranças, julgamento e disputa pelo alter ego aflorado de cada um.

Ambos já não aceitam a identidade do outro e, o mais comum, é viverem em regime de ameaças emocionais.

Como perceber que você vive um relacionamento “abusivo”?

E os dois, agora, fazem o mesmo.

E como mudar isso?

Será que tem chance de ser diferente?

Pra começar, só é possível se ambos quiserem transformar essência e equilibrar suas mentes por quererem algo em comum. Estarem juntos.

Só pode ser diferente se ambos identificarem que é necessário aceitação e mudanças.

Haverá a “guerra” dos sexos sim, afinal, seres humanos são dotados de uma coisa que eu considero ruim quando não existe um altruísmo, o amor próprio. Mas que tudo pode ser controlado, ahhhh… Isso é um fato.

Todos passamos por esses estágios em um relacionamento:

1 – Euforia – Quando você se apaixona e o outro não tem defeito. Você só vê as qualidades porque elas são maiores nessa fase. Afinal, quem conquista dando só coisa ruim?

2 – Admiração espelhada – Quando você projeta no outro o que você gostaria de ser ou ter.

3 – Espera ou o desejo de um retorno similar ao que você faria.

4 – Decepção – Quando você identifica que o outro terá a essência dele como mola precursora e vai ganhar o querer, aquele que é mais decisivo.

Vai perder quem não tiver total controle sobre si mesmo.

5 – A raiva, julgamento e culpa – Quando, sem perceber, você tem raiva de você mesmo por ter se colocado ali, mas projeta para ele a culpa diante de seus auto julgamentos.

Você tem raiva e isso é ótimo.

Mas, a raiva é um sentimento de defesa, te dá ferramentas pessoais para transformar o momento atual.

Esse sentimento pode te salvar ou te matar.

Vai te afundar, caso a raiva se transforme em culpa, insegurança, inferioridade ou medo.

Aí sim, você vai criar vários transtornos, vai aumentar fraquezas e elas serão o seu comando diária.

E você pode nunca mais sair do estado atual.

E quem sabe, terá o seu relacionamento eterno, pautado e baseado em apenas sobreviver daquilo que o outro tem pra te dar.

Você nunca vai perceber que você deixou de se dar, não o outro.

E vai culpar o outro por ter tirado de você a sua identidade, o seu amor próprio, até que você se perdeu de si mesmo.

6 – A decisão – Que é o momento de transformação. Ou você aceita por achar que não tem outra forma de ser feliz ou você decide que a felicidade está no seu poder em escolher. A outra pessoa aceita ou não.

Sabe por que?

Porque até agora essa pessoa fez isso com você. Ela escolheu como queria e você aceitou.

A decisão vem depois da raiva… Depois de todos os processos de culpa e tristezas, levante sua cabeça e decida você.

Escrevi esse texto inspirada em milhões de pessoas que vivi, conheci e presenciei situações parecidas sem ao menos fazer algo para mudar ou nem saber como mudar aquela situação até adoecer.

Aí vem a melhor parte.

Quando você decide, quem te ama vai se transformar com você e se isso não acontecer, você era um mero “peão” que fazia parte do jogo dele.

Tome a rédea da sua vida.

Escolha!

Decida!

Desenvolva o amor próprio.

Se conheça ao ponto de se colocar em primeiro plano.

Você só dá o que tem.

Sem nada, você só recebe… E pode ser que tenha se permitido receber só o nada que você adquiriu.

Eu passei por relacionamentos assim.

Mas, eu consegui mudar tudo.

Sabe como?

Decidindo que só aceitaria a felicidade.

E pra isso eu tive que desenvolver o poder do autoconhecimento para escolher dia a dia até que virasse uma decisão.

O outro não muda.

Quem muda é você.

O outro fica se houver equilibrio entre as escolhas e existir felicidade para ambos nessa vida a dois.

Seja forte.

Levante daí.

Escolha.

Beijos.

C.z