Como dizer sim pra você sem medo ou culpa?

Como dizer “sim” pra Você sem medo ou culpa?
Como lidar com o “não” do outro quando você se diz “Sim”?


Vamos começar essa reflexão com a sua resposta pra essa pergunta que segue:

Você já disse sim pra você sem se preocupar com a reação negativa do outro?


Muitas pessoas têm vontade de inúmeras coisas e deixam de se dizer sim por conta da reação do outro.


Outras não fazem o que querem por medo do que outros vão falar.


Há aqueles que não fazem por motivos diversos e, quando outra pessoa faz, QUEM não fez critica, julga negativamente e até cria personalidades irreais pra quem o fez.


Me fiz entender?


Vou te falar sobre uma mulher muito bonita que por anos não teve coragem de ser e se ver bonita porque acreditava que isso bloqueava a realização em seus caminhos.


Leia até o fim, pois esse pode ser o seu caso.
Bom…


Essa mulher era linda!
Linda de linda mesmo.
Sabe aquela mulher de corpo perfeito, rosto deslumbrante, carismática e inteligente?


Então, essa mulher era assim.


Mas, por anos ela foi feia.
Por anos ela não se maquiada, não usava roupas ousadas e muito menos se mostrava da forma que verdadeiramente era.


Por que?


Essa é a melhor parte da história.


Essa mulher cresceu com algumas frases e circunstâncias que a fizeram registrar que mulher bonita era ameaça.


“Não use roupas ousadas, pois não terá amigas.”
“Não se mostre muito para não acabar com casamentos alheios”
“Não ria Alto, não converse com todo mundo, não seja sensual, não seja MULHER demais.”


Essas frases são um único resumo:

“Seja inteligente e não apareça muito pela beleza, mulher bonita é vista como vagabunda, burra e destruidora de lares.”


Essa crença fez essa mulher andar “tampada” perto de seu marido, quase não falar entre as famílias de suas amigas, se calar em suas opiniões, guardar sentimentos por medo e culpa.

E, para mostrar um outro lado, essas mulheres focam no poder intelectual ou familiar, algo que dê a elas o poder de ser para viver em sociedade.


O curioso é que uma hora essa essência grita e essa mulher não consegue mais se esconder de si mesma.

É claro que é necessário muito estudo de si mesma pra descobrir aonde está a causa dessas crenças, o que geralmente cria -se na infância.


Muito tempo depois, ao iniciar um processo de alto conhecimento, numa de suas sessões conjugal, essa mulher se pegou dizendo a seguinte explicação:


“Se eu mostrar que sou bonita, meu marido pode arrumar briga com os amigos que vão me olhar como se eu fosse um pedaço de carne, as mulheres dos amigos vão me querer longe porque sou gostosa demais e o medo de eles ( os maridos das mulheres) me quererem vai fazer com que elas me chamem de vagabunda. Se eu arrumar um emprego e a minha chefe achar que sou ameaça, vai me despedir. Se as mulheres que não se amam acharem que me amo demais vão arrumar uma forma de me excluir, julgar ou ridicularizar.”


A FRASE FINAL DESSA EXPLICAÇÃO:


“É MELHOR EU SER FEIA E INTELIGENTE, ASSIM EU VOU ME ESTRUTURANDO SEM SER AMEAÇA E PERDER O MEU MEIO DE REALIZAÇÃO POR CAUSA DISSO.”


Foi nesse processo de pensamento que essa mulher perdeu anos de sua vida, ganhou baixa autoestima, se ridicularizou e disse todos os “nãos” que conhecia pra ela mesma.


Perdeu casamento.
Perdeu emprego.
Perdeu dinheiro.
Perdeu amigos.
Perdeu oportunidades.

Perdeu-se no seu processo pessoal porque não deveria se amar demais ao ponto de ser quem ela realmente era.


Quando descobriu que deveria dizer sim a si mesma, tudo mudou.


Se ela era gostosa, alguns veriam isso, outros lhe dariam adjetivos de vagabunda pra lá…


Se ela era linda, alguns veriam isso com admiração, outros com desdém e inveja.


Se ela era inteligente e carismática, alguns veriam isso como diferencial e talento, outros como autopromoção, invenção ou marketing.


Resumindo:
Seu aprendizado mudou a sua vida.
Ali ela pôde ver que a ameaça está em quem vê e não em quem de fato ela era.
“Quem é não precisa de vestir ou despir… É e pronto.”


Se ela andava mais sensual e a menina do lado não era, o que “normalmente” aconteceria era ouvir pelos corredores da vida que ela era piranha, ou o julgamento de, uma mulher casada não dá esse exemplo.


Se ela era linda, carismática e inteligente e a menina do lado não fosse, o que “normalmente” aconteceria era ela ser excluída pelas mulheres que se sentiriam ameaçadas.


TUDO DEPENDE DE QUEM VÊ E NÃO QUEM DE FATO VOCÊ É.


Essa mulher aprendeu, identificou e se libertou.


Disse os seus “ sims” independente da reação do outro.


Disse seus “sims” independente de como o outro lida com suas frustações.


Se você tem diferencial, é linda, é gostosa, é inteligente, se destaca de alguma forma pelo que você é… Nunca mais se esconda de quem não se vê assim ou não confia em si mesmo.


Porque quem se conhece jamais sentirá ameaça por você ou apontará a sua vida ou ações.


Essa pessoa que se aceita, se conhece e confia em si mesmo quer andar com quem é como ela… Vai te elevar e não te humilhar.


JAMAIS.


Olhe a sua Volta e reflita.


Veja você mesmo se faz sentido.
Beijos.
C.z