fbpx

O blog – O que é o amor

Livro

 

Descobri que o amor é a maior conexão que existe entre o ser humano e a vida, o que traz a verdadeira prosperidade: paz – estado de espírito de maior vibração no mundo.

 

É o amor que nos faz ser melhor e dar o melhor.

 

Mas, o que é sentir amor?

 

Amor é atração?

Amor é sexo?

Amor é paixão?

Amor é liberdade?

Amor é cura?

Amor é perdão?

Amor é gratidão?

Amor é paz?

Amor é o mesmo objetivo?

Amor é aceitar tudo?

Amor é abrir mão do seu eu?

Amor é adaptabilidade?

Amor é ser feliz?

Amor é estabilidade?

Amor é dinheiro?

Amor é carreira?

 

 

Afinal, onde começa e termina o amor?

 

Não sei se você sabe, mas segundo a ciência, o amor é estado de nascimento, o que significa que o ser humano nasce com o amor impresso, impresso em seu DNA.

 

Mas, o que faz o “amor” destruir o que já lhe veio impresso?

 

Por que o amor não consegue perceber que foi destruído dentro de si mesmo?

 

O que faz o amor dizer que está tudo bem, quando ele não está se dando, nem recebendo e nem vivendo?

 

O que será que ele pensa quando diz que é capaz de fazer e viver coisas dolorosas em troca de apenas dizer que isso tudo é “amor”?

 

Será que ele percebe que está em coisas dolorosas?

 

São tantas as formas de imprimir, não é? Amor!? Que o mundo já se acostumou com isso. Naturalizou.

 

Quando eu te conheci, eu fazia de tudo para você.

Arrumava as suas roupas, limpava a casa para quando você entrasse, me arrumava e ficava cheirosa só para você sentir.

 

Eu aceitava a sua família, mesmo não gostando dela.

Aceitava a sua forma de me tratar, achando que isso era proteção.

Comecei a fazer coisas diferentes das que eu fazia só para ter você por perto.

 

Comi mal e dormi mal só para ter você aqui dentro de mim.

Tive tanto medo de te perder que toda manifestação de você para mim.

 

Eu entendia que tudo que você fazia era para o meu maior bem.

 

Você era tudo que eu mais queria, não me importava com nada, não questionava nada. Eu apenas tinha você.

 

Você me disse que tudo era para o meu bem.

 

Eu apanhei para aprender o certo e o errado.

E ganhei tudo que eu queria, mais a melhor forma de ter você, era aceitar o abuso que só você podia me dar, afinal, sem você eu não tinha nada.

 

Sozinha? Não. Sozinha eu não conseguia, porque você tinha de estar ali para me mostrar que só o seu poder era muito para que eu fosse alguém.

 

Sem você, eu não consigo.

Sem você, eu não posso.

Sem você, eu não aprendo a te mostrar que pode confiar em mim.

 

Eu cresci e entendi que o Amor era a melhor coisa do mundo para transformar pessoas em pessoas melhores.

 

Para ter você eu julguei pessoas, culpei pessoas, fui julgada e também culpada. Mas o que fizemos? Fizemos amor!!!!!

 

O amor é o motivo de tudo e de todos quererem amor.

 

Mas, não é o amor que salva?

 

Se o amor salva, por que você “amor” tem depressão, ansiedade, medo, culpa, controle, posse, ego, julgamentos, distúrbios neurais, vitimização, poder, segurança, crenças, autossabotagem, paz e felicidade?

 

A naturalização desse amor que todos querem adoeceu o mundo?

 

O amor e suas vertentes são aceitas, inquestionáveis, você ama e é amado. Do jeitinho que te ensinaram o que é o amor.

Amor!

Eu te amo!

 

Mas, no mundo perfeito, se não existisse as formas inquestionáveis do que é amor?

Como seria?

 

Quem seria você amor?

Como seria você amor?

Por que seria chamado de amor?

 

 

Amor… Eu também sou amor e por que recebo amor? Não entendo.

 

Amor!

 

Se você salva as pessoas, estou salva, não é?

Não preciso nem me preocupar, certo?

 

Então, se eu tenho você e você me tem, o mundo está bem melhor agora, né?

 

Todos com seus amores e é isso que importa.

Já estão todos salvos.

 

Não é isso?

 

O amor.