Amor

O amor próprio.

Você sabe o que é isso?

Você sabe se sabe ter isso?

Bom…

Vamos por parte.

Amor próprio é quando você se dá atenção, generosidade, carinho e compreensão.

Não é nada fácil se dar isso diariamente.

Normalmente você dá pro outro e esquece que você é a peça principal do xadrez.

Quando somos crianças aprendemos que o amor é respeitar o outro, mas dificilmente aprendemos a respeitar a nós mesmos.

Vivemos em constante auto agressão.

Veja se faz sentido pra você?

Ao respeitar o mais velho você aprende que não deve responder por educação.

Aprende que deve usar a roupa que seus pais acham certo pra você.

Aprende que é obrigado a seguir regras.

Nesses momentos você aprende por associação que respeitar o outro é amor ao outro. Mas, em que momento você aprende que respeitar o outro é aprender a se respeitar?

Claro que eu concordo que quem tem mais experiência tem muito a nos dar.

Mas nem sempre a forma que você recebe é a certa.

Na minha geração o medo era a principal fonte de aprendizado para se conseguir o que queria.

Eu nunca concordei com essa forma de aprendizado.

Medo faz com que você avance e supere obstáculos, mas se for em equilíbrio.

Em excesso, paralisa.

Aí que nasce o maior perigo.

Quando seus pais te ensinam através do medo, você aprende que o amor é aceitar o que vier, sem questionar, sem pensar e sem se amar.

Eu sempre fui a favor do equilíbrio.

Crianças medrosas não possuem auto-suficiência, não assumem, não se responsabilizam.

Eu demorei pra entender que o amor próprio não é egoísmo e que o medo é bom quando é um combustível saudável.

Você já parou pra pensar que muitos relacionamentos se sustentam no medo ou na culpa?

Situação 1:

Ontem eu vi uma reportagem sobre uma atriz que apanhava do marido.

Situação 2:

Também tive uma conversa com uma pessoa que estava em uma relação sem amor.

Na situação 1

As pessoas se mostram no primeiro mês de convívio. Você não percebe porque acredita em algo que te impede de agir com amor próprio. Você só age quando sabe o que é isso.

Embora ela tenha apanhado uma semana antes de seu casamento, ela acreditou em algo que não existia.

Esse acreditar fez com que ela permanecesse.

Situação 2

Ela sabe que não tem mais amor, permanece ali porque não sabe que não tem amor próprio.

Eu sempre digo que o amor é bom.

O amor traz paz e equilíbrio.

Mas quando ele é genuíno.

Amor por ego, controle, medo, culpa, interesse… Não é amor, ele está camuflado pelos sentimentos anteriores.

Quando você percebe que está em uma relação, seja ela qual for, por qualquer sentimento que não seja altruísta de todos os envolvidos, saia imediatamente.

Se prepare se for preciso.

Mas, de preferência, não deixe chegar no ponto que chegou.

Deixe de se machucar.

Amor próprio é auto-responsabilidade.

Amor próprio é gostar se sua própria companhia.

Amor próprio é respeitar o seu eu sem culpar o outro por não corresponder às suas expectativas.

Amor próprio é se aceitar.

Amor próprio é ser paciente com seus sonhos.

Amor próprio não é aceitar qualquer coisa, mas também não é cobrar que o outro faça o que você não faz.

Amor próprio é altruísmo e não egoísmo negativo.

Quando você tem amor próprio, todos a sua volta estão felizes, isso porque você é feliz primeiro.

Não aborte-se.

Nasça e deixe sua vida viver.

Assim, todos viverão.

Até…

Beijos

C.z